Bem vindo ao Instituto de Saúde Bom Jesus

Archives

Author's Posts

Mais um ano chega ao fim, mais uma vez o espírito de Natal chega para
suavizar os nossos dias, e trazer brilho e alegria para as nossas vidas.
Somos gratos e felizes por ter vivido mais este ano, e por ter tido a
oportunidade de aprender e crescer, como profissionais e pessoas.

Natal é tempo de perdoar, de amar e de receber a bênção de Deus. É
tempo de se deixar guiar pelas luzes divinas e ser conduzido para o
caminho do bem, da paz e da felicidade.

Nesta hora de alegria, de paz e amor, a nossa empresa agradece a todos
os clientes que ao longo do ano nos ajudaram a evoluir e confiaram no
nosso profissionalismo e competência.

Abram muitos presentes neste Natal, celebrem com os amigos e
familiares e entrem com o pé direito no novo ano que se inicia.
Divirtam-se e lembrem-se que estamos sempre no mesmo lugar para
tudo que precisarem.

Feliz Natal e um prospero Ano Novo!

De 14 a 21 de dezembro, estamos na Semana de Mobilização Nacional para Doação de Medula Óssea, instituída pela Lei nº 11.930, de 22 de abril de 2009. Também conhecida como “Lei Pietro”, esta lei tem como objetivo promover o esclarecimento e a conscientização sobre a doação e o transplante de medula.

Para reunir as informações (nome, endereço, resultados de exames, características genéticas) de pessoas que se dispõem a doar medula para o transplante, foi criado, em 1993, o Registro Nacional de Doadores Voluntários de Medula Óssea (REDOME), coordenado pelo Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (INCA) desde 1998. Desta forma, com as informações do receptor, que não disponha de doador aparentado, busca-se no REDOME um doador cadastrado que seja compatível com ele e, se encontrado, articula-se a doação.

Para que se realize o transplante de medula é necessário que haja uma total compatibilidade entre doador e receptor. Caso contrário, a medula será rejeitada. A análise de compatibilidade é realizada por meio de testes laboratoriais específicos, a partir de amostras de sangue do doador e receptor, chamados de exames de histocompatibilidade. Com base nas leis da genética, as chances de um indivíduo encontrar um doador ideal entre irmãos (mesmo pai e mesma mãe) é de 25%, enquanto que, entre indivíduos não aparentados, é, em média, de 1 em 100 mil.

 

Como se tornar um doador

Para se tornar um doador de medula óssea é necessário:

  • Ter entre 18 e 55 anos de idade
  • Estar em bom estado geral de saúde
  • Não ter doença infecciosa ou incapacitante
  • Não apresentar doença neoplásica (câncer), hematológica (do sangue) ou do sistema imunológico
  • Algumas complicações de saúde não são impeditivas para doação, sendo analisado caso a caso

Além dos pré-requisitos acima, é necessário procurar o hemocentro do seu estado e agendar uma consulta de esclarecimento ou palestra sobre doação de medula óssea. O voluntário à doação irá assinar um termo de consentimento livre e esclarecido (TCLE), e preencher uma ficha com informações pessoais.

Após, será retirada uma pequena quantidade de sangue (10ml) do candidato a doador, que será analisado por exame de histocompatibilidade (HLA). Este teste identifica as características genéticas que vão ser cruzadas com os dados de pacientes que necessitam de transplantes para determinar a compatibilidade. Tanto os seus dados pessoais, quanto o tipo de HLA serão incluídos no Registro Nacional de Doadores Voluntários de Medula Óssea (REDOME).

Quando houver um paciente com possível compatibilidade, o voluntário será consultado para decidir quanto à doação. Por este motivo, é necessário manter os dados sempre atualizados. Para seguir com o processo de doação serão necessários outros exames para confirmar a compatibilidade e uma avaliação clínica de saúde. Somente após todas estas etapas concluídas o doador poderá ser considerado apto e realizar a doação.

 

Fontes: INCA e Blog da Saúde

*Rubens Bueno pede inclusão na pauta de projeto que garante crédito mais barato para Santas Casas*
O deputado federal Rubens Bueno (Cidadania-PR) apresentou requerimento para inclusão na pauta do plenário da Câmara do projeto (PL 2809/20) que renova o prazo para hospitais filantrópicos pedirem concessão ou renovação da certificação de entidades beneficentes de assistência social (Cebas) do fim de 2018 para o fim de 2021. Com a certificação, essas entidades podem, por exemplo, obter linha de crédito com bancos públicos com melhores condições que as de mercado.
Na avaliação do deputado, trata-se de uma ação de reconhecimento ao trabalho dessas entidades que estão sendo fundamentais no enfrentamento a pandemia da Covid 19. “A situação de calamidade também afetou a processo burocrático para a certificação dessas entidades e precisamos entender que elas, como todo o setor empresarial, precisam de ajuda para obter crédito com juros melhores e manter seu trabalho de atendimento à população”, afirmou o deputado, que se une a campanha que vem sendo feita pela Confederação das Santas Casas de Misericórdia, Hospitais e Entidades Filantrópicas (CMB) para a aprovação da proposta.
O projeto é de autoria dos deputados Antonio Brito (PSD-BA), Dr. Luiz Antonio Teixeira Jr. (PP-RJ) e Carmen Zanotto (Cidadania-SC). O texto altera a Lei 13.650/18, que validou a declaração de gestor local do SUS como comprovante suficiente para uma entidade de saúde ser considerada beneficente de assistência social na área de saúde (como previsto na Lei 12.101/09).
Rubens Bueno lembra ainda que as 2.100 Santas Casas espalhadas pelo país estão na ponta do combate ao tratamento de brasileiros diagnosticados com a Covid-19. “Elas atendem mais de 54% da demanda do Sistema Único de Saúde (SUS)”, ressaltou.

TRIAGEM AUDITIVA NEONATAL (TANU)

 

A Triagem Auditiva Neonatal (TANU), também conhecida como “Teste da Orelhinha”, tem grande importância, tanto para a criança quanto para seus familiares, visto que é uma ferramenta que possibilita identificar a deficiência auditiva nos neonatos e lactentes e implementar medidas de detecção, diagnóstico e reabilitação precocemente.

 

O diagnóstico precoce é fundamental para a realização de procedimentos que irão minimizar os impactos da deficiência auditiva no desenvolvimento da linguagem e da fala da criança.

As técnicas recomendadas atualmente para a realização da TANU são procedimentos eletrofisiológicos e eletroacústicos, conhecidos como o registro das Emissões Otoacústicas Evocadas e o Potencial Evocado Auditivo de Tronco Encefálico (Automático), considerados testes sensíveis e específicos para identificar as perdas auditivas mais importantes, que podem afetar o desenvolvimento da linguagem e psicossocial das crianças. Um desses testes é conhecido como o “Teste da Orelhinha”.

 

O Instituto de Saúde Bom Jesus possui os dois equipamentos para a realização da Triagem Auditiva Neonatal.

A TANU deve ser realizada na maternidade, antes da alta do bebê, entre 24 e 48 horas após o nascimento.

É um teste rápido, simples, não causa dor, não invasivo.

Os fonoaudiólogos são os profissionais capacitados e habilitados para a realização da Triagem Auditiva Neonatal, de forma a identificar adequadamente os casos suspeitos, evitar encaminhamentos desnecessários para diagnóstico e acolher com responsabilidade os anseios da família.

Se o primeiro teste da Triagem Auditiva Neonatal (TANU) der um resultado alterado, o bebê deve refazê-lo dentro de 15 a 30 dias no máximo.

Nos casos dos bebês que falham no reteste, devem ser encaminhados para avaliação otorrinolaringológica e quando necessário são encaminhados também para um serviço de diagnóstico, onde serão realizados os exames complementares.

Quando confirmada a deficiência auditiva, a intervenção fonoaudiológica, a adaptação de aparelhos auditivos ou implante coclear, devem ser iniciados o mais precocemente possível, para que se obtenham melhores resultados no  desenvolvimento da função auditiva, da linguagem, da fala, do processo de aprendizagem e da qualidade de vida da criança.

Fonte:

Diretrizes de Atenção da Triagem Auditiva Neonatal, Ministério da Saúde.

 

Fonoaudióloga Responsável:

 

Anielly C. Luz Bonfim

CRFa 3-8730

Instituto Bom Jesus de Ivaiporã apresenta projeto de ampliação do pronto-socorro

O deputado Artagão Júnior acompanhou a diretoria do Instituto de Saúde Bom Jesus de Ivaiporã, nesta quarta-feira (25), em audiência com o secretário de Saúde do Paraná, Beto Preto.

Estiveram presentes o diretor administrativo do hospital Marcos Aurélio de Assis, o diretor jurídico Fernando Kawano e o conselheiro Celso Celestino Silva.

Na ocasião, foi apresentada demanda para reforma e ampliação do pronto-socorro. O diretor administrativo justificou o pedido. “O deputado nos viabilizou R$ 2 milhões em 2019, recursos que seriam inicialmente para o centro de hemodinâmica. Mas em razão dos financiamentos do SUS, a Secretaria de Estado da Saúde nos sugeriu outras linhas de cuidado de maior necessidade para o momento. Nós revisamos o projeto e apresentamos a ampliação do pronto-socorro e agora vamos correr atrás dos recursos que ainda faltam”, explicou Marcos Aurélio.

Segundo ele, há a necessidade de mais espaços de observação, salas de atendimento e triagem. “Precisamos de uma reestruturação completa, pois houve um aumento significativo nos atendimentos de urgência e emergência, através do Samu, central de leitos e gestação de alto risco. Muitos atendimentos geram uma grande quantidade de retorno de pacientes por conta dos tratamentos”.

O Instituto Bom Jesus está ainda trabalhando em um projeto de reestruturação das áreas das UTIs neonatal e adulto. “Em face da pandemia do coronavírus, houve a necessidade de separarmos leitos. Com a reestruturação das UTIs, poderemos oferecer mais segurança aos pacientes”, ressaltou o diretor administrativo do hospital.

 Conscientização e combate à HIV/AIDS e outras Infecções Sexualmente  Transmissíveis

1º de dezembro é o Dia Mundial de Luta Contra a Aids.

A data foi estabelecida internacionalmente em 1987 por decisão da Assembleia Mundial de Saúde com apoio da Organização das Nações Unidas (ONU). No Brasil, o Ministério da Saúde adotou a data um ano depois.

O objetivo foi o de reforçar a solidariedade, a tolerância, a compaixão e a compreensão com portadores de AIDS.

Nada mais justo do que prolongar o dia para um mês todo. Dezembro, portanto, é o dezembro vermelho, o mês da conscientização e combate à AIDS.

No dia 27 de novembro, comemora-se 0 Dia Mundial do Combate ao Câncer. E o Dia Nacional de Combate ao Câncer Infanto-juvenil é oficialmente lembrado no dia 23 de Novembro, e visa estimular as ações educativas associadas à doença, promover debates e outros eventos sobre as políticas públicas de atenção integral às crianças e adolescentes com câncer, além de divulgar os avanços técnico-científicos na área. A data foi instituída por meio da Lei nº 11.650, de 4 de Abril de 2008. Em Santa Catarina, o Hospital Infantil Joana de Gusmão (HIJG) da Secretaria de Estado da Saúde (SES) é referência estadual para o atendimento das crianças e adolescentes com câncer.

O laço dourado da campanha simboliza a cor da fita destacando a consciência do câncer infanto-juvenil e o padrão “ouro” necessário no tratamento desses pacientes. No Brasil, o Instituto Nacional do Câncer (INCA) estimou para o ano de 2018 a ocorrência de 12.500 casos novos da doença em crianças e adolescentes com até 19 anos de idade. Na última publicação do Registro Hospitalar de Câncer do HIJG, referente ao período de 2009-2013, a média de casos novos atendidos ao ano na instituição foi de 100, com taxa de sobrevida de 73%.

No Brasil, assim como nos países desenvolvidos, o câncer representa a primeira causa de óbito por doença entre as crianças e adolescentes de um a 19 anos de idade, de acordo com dados publicados pelo INCA. Infelizmente, com base nos dados dos registros de câncer atualmente consolidados no Brasil, muitos pacientes ainda são encaminhados aos centros de tratamento com a doença em estágio avançado.

Diagnóstico e tratamento

Além do diagnóstico precoce, é imprescindível que o tratamento destes pacientes seja realizado em centros especializados, com presença de oncologistas pediátricos e de toda a equipe multiprofissional capacitada na atenção à criança e ao adolescente com câncer, objetivando incrementar as chances de cura da doença.

No Brasil, nos últimos anos, houve marcante melhora na sobrevida das crianças e adolescentes com câncer, em decorrência do atendimento em serviços de referência em oncologia pediátrica e pela utilização de protocolos cooperativos de tratamento, coordenados pela Sociedade Brasileira de Oncologia Pediátrica (Sobope).

Dados de um estudo sobre o panorama do câncer infanto-juvenil divulgados pelo INCA e pelo Ministério da Saúde (MS) identificaram que no Brasil, a sobrevida estimada por câncer na faixa etária de zero a 19 anos é de 64%. Este estudo apontou que a sobrevida variou de acordo com a região do país, sendo mais elevada nas regiões Sul e Sudeste.

O câncer infanto-juvenil consiste em um conjunto de doenças que apresentam características próprias em relação ao tipo histológico e ao comportamento clínico. Dentre as neoplasias malignas mais frequentes nesta faixa etária estão as leucemias, os tumores do sistema nervoso central e os linfomas.

É fundamental, portanto, que os pais ou os responsáveis legais realizem as consultas pediátricas regulares com seus filhos e filhas, visando o diagnóstico precoce da doença e, permitindo assim, melhor chance de cura, de sobrevida e de qualidade de vida para o paciente e sua família. Neste contexto é importante o reconhecimento de alguns sinais e sintomas de alerta, principalmente se persistentes, visando ao diagnóstico precoce do câncer infanto-juvenil.

Sinais e sintomas de alerta

·         Leucocoria, nistagmos e protusão do globo ocular.

·         Estrabismo, que surge repentinamente.

·         Aumento de volume em qualquer região do corpo, principalmente indolor e sem febre, podendo estar associado ou não a sinais de inflamação.

·         Dor abdominal e massa abdominal.

·         Aumento de volume testicular.

·         Hematúria e hipertensão arterial sistêmica inexplicadas.

·         Linfonodomegalias, especialmente em região retroauricular, cervical baixa, epitroclear e supraclavicular.

·         Equimoses pelo corpo em regiões pouco frequentes, sobretudo quando não associadas a algum tipo de traumatismo.

·         Dor persistente nos ossos, nas articulações e nas costas, especialmente se persistente e se despertar a criança/adolescente à noite.

·         Fraturas, sem trauma.

·         Sinais precoces de puberdade: acne, voz grave, ganho excessivo de peso, pelos pubianos, hipertrofia de clítoris, aumento do volume do pênis, aumento do volume mamário nas meninas com menos de 8 anos de idade e nos meninos com menos de 9 anos de idade.

·         Cefaleia persistente e progressiva, associada ou não a vômitos, alterações na marcha, no equilíbrio, na fala e na visão, além do aumento inexplicado do perímetro cefálico, perda de habilidades desenvolvidas e alterações comportamentais.

·         Febre prolongada, perda de peso, prurido, tosse seca e persistente, palidez, fadiga ou sangramentos inexplicados.

·         Otalgia crônica/otorréia crônica, especialmente se associada a dermatite seborreica.

·         Nervos com modificação das características prévias, em áreas de exposição solar ou atrito.

Fonte: https://www.saude.sc.gov.br/index.php/resultado-busca/diagnosticos/10434-dia-nacional-de-combate-ao-cancer-infantojuvenil#:~:text=O%20Dia%20Nacional%20de%20Combate,de%20divulgar%20os%20avan%C3%A7os%20t%C3%A9cnico%2D

18 à 24 de Novembro – Semana Mundial de Conscientização Sobre o Uso de Antibióticos

A Semana Mundial de Uso Consciente de Antibióticos ocorre todos os anos no mês de novembro e tem como objetivo chamar a atenção para o problema da resistência aos antibióticos, que é quando bactérias se tornam resistentes aos medicamentos disponíveis, e aumentar a conscientização sobre a importância do uso responsável de antibióticos.

Mas afinal o que são bactérias? São microrganismos que possuem apenas uma célula e estão entre os menores, mais simples e mais abundantes organismos do planeta. Não são vistas a olho nu, somente através de um microscópio.
O que são antibióticos? São medicamentos capazes de combater micro-organismos
causadores de infecções nos seres humanos e animais.
O que é resistência aos antibióticos? Mecanismos de defesa desenvolvidos pelas bactérias para sua sobrevivência. Com isso, as bactérias mais fracas serão liquidadas, porém as mais fortes resistirão à ação dos antimicrobianos. Dessa forma, a utilização repetida de antibióticos, seja por um longo ou por um curto tempo, sem indicação médica, pode aumentar os riscos de resistência bacteriana.

O que DEVEMOS fazer para prevenir a resistência aos antibióticos?

✔ Usar antibióticos somente prescritos por profissional qualificado, com receita. Pois eles saberão qual o antibiótico mais apropriado para o seu tratamento;

✔ Completar todo o tratamento com o antibiótico, mesmo se já estiver se
sentindo melhor;

✔ Respeitar sempre a dose e o horário indicados na receita. Em caso de
esquecimento, tomar o antibiótico o mais rapidamente possível e seguir as
próximas doses no horário normal;

✔ Adotar medidas simples para prevenir infecções: higiene das mãos, manter sua vacinação em dia e seguir as recomendações do profissional de saúde.

O que NÃO DEVEMOS fazer?

✔ Usar antibióticos que sobraram de tratamentos anteriores sem a prescrição médica;

✔ Compartilhar antibióticos do meu tratamento com outras pessoas, mesmo que os sintomas sejam semelhantes;

✔ Tomar antibióticos sem a receita do profissional qualificado;

✔ Insistir com o meu médico para prescrever antibióticos quando não for necessário.

Fonte: SUS / SP

Em um ano atípico para todos, onde tivemos muitas restrições, visitas restritas, chamada de vídeos, prematuros extremos.

Muitas lutas, mas muitas vitórias!

A cada procedimento conseguido com sucesso…uma glória. Mais uma vez, louvo a Deus por cada um que faz parte desta equipe abençoada, que não mede esforços, para sempre fazer o melhor no cuidado com os pequenos e suas famílias.

Pedimos a Deus por cada família, que se deslocaram da maior distância para a visita ou por vídeo chamada na esperança diária de boas notícias.

Colaboração: Enfermeiro Marcelo Kuplens

Fotos: Autorizadas pelos pais.

X